Você é um “Condômino Conká”?

Você é um “Condômino Conká”?

O Brasil acompanhou nas últimas semanas no programa Big Brother Brasil, o comportamento e a eliminação da participante Karol Conká. Eliminação que ocorreu com a maior rejeição da história do programa!

Mesmo quem não acompanha o programa pode ver, principalmente nas redes sociais, as repercussões negativas das atitudes da participante durante sua permanência no programa.

E o que isso tem a ver com o meu condomínio?

Bom, é inegável que o programa tem uma enorme semelhança com a vida condominial, pois afinal o que é um condomínio, se não a convivência de várias pessoas com pensamentos, vontades, quereres e histórias diferentes convivendo e morando todas no mesmo lugar?

Logo, a presença de moradores que se comportam diariamente como a participante eliminada INFELIZMENTE NÃO É uma realidade longe do que vivemos. E assim como surgiram diversas pessoas julgando a Karol, nos deparamos com muitas pessoas que vivem julgando outros, mas que tem exatamente o mesmo comportamento considerado inaceitável.

Pense, se observe e se avalie:

– Você discorda das regras do seu condomínio a ponto de ignorá-las e agir conforme sua própria vontade ou seu próprio ponto de vista? “A academia está fechada, mas poxa, é rapidinho”

– Você ignora o direito dos seus vizinhos e age como se os seus direitos e vontades fossem os mais importantes dentro do condomínio? “Vou abaixar a música não, ele que lute!”

– Ao ver seu vizinho cometendo alguma infração, você o julga como se fosse o pior vizinho?

– Você culpa sempre seu vizinho, o síndico, o conselho, a administradora ou qualquer outra pessoa que mora ou trabalha no condomínio por algo que deu errado ou pelos seus próprios erros?

Se você se identificou com as descrições acima, preciso te dizer, você é um “Condômino Conká”! E se houvesse um paredão no seu prédio, você correria o risco de ser eliminado com uma porcentagem recorde de rejeição!

Mas calma! O intuito desse texto não é te eliminar do seu condomínio, mas sim te levar a reflexão, pois pessoas com condutas como as que a Karol teve dentro da casa não conseguem enxergar e perceber como sua postura é prejudicial aos que estão a sua volta, mas é bom que exemplos como esse sejam evidenciados para que haja auto análise e leve a evolução pessoal, capaz de contribuir para a construção de seres humanos melhores e consequentemente condomínios melhores.

Reflita e não seja um “Condômino Conká”.

Joyce Fernandes

Síndica Profissional desde 2015 – Formada pela Assosindicos 
Apaixonada por desafios e autoconhecimento
“Dispenso o que não me desafia e não me faz crescer.”